Quando um funcionário pode ser demitido por justa causa? A gente explica!

Quando um funcionário pode ser demitido por justa causa? A gente explica!

Manter um vínculo empregatício exige comprometimento e conhecimento acerca das leis que regem as relações trabalhistas. Nesse contexto, é importante saber quando um funcionário pode ser demitido por justa causa.

Esse instituto está previsto no art. 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e consiste em atos faltosos praticados pelo empregado que minam a confiança e a boa-fé que deve existir entre ambas as partes de uma relação trabalhista, resultando em dispensa. Essa é considerada a maior punição que um empregado pode receber.

Neste post apresentaremos algumas hipóteses previstas em lei que permitem que um trabalhador seja demitido por justa causa. Acompanhe a leitura!

Abandono de emprego

A falta não justificada por um período superior a 30 dias acarreta presunção de abandono de emprego. Contudo, é possível que essa situação reste caracterizada antes desse tempo, que é o caso em que o funcionário demonstra inequívoca e manifesta intenção de não manter mais o vínculo empregatício.

Comércio de produtos no local de trabalho

A negociação de produtos no ambiente de trabalho, sem a permissão do empregador e de forma habitual, caracteriza atividade concorrente e é considerada uma espécie de comércio irregular de mercadorias. Esse caso é mais uma hipótese de conduta passível de demissão por justa causa.

Ato de improbidade

A improbidade consiste em uma ação ou omissão desleal ou desonesta do funcionário que caracteriza abuso de confiança, imparcialidade, intenção de fraude ou má-fé.

Nesse sentido, um empregado que adota alguma conduta que se encaixa nos tipos acima incorre em falta grave e na possibilidade de dispensa por justa causa.

Podemos citar como exemplos o furto de objetos de valor que pertencem ao ambiente de trabalho e a apresentação de atestado médico falso com o intuito de abono de faltas.

Indisciplina

A conduta de indisciplina consiste no desrespeito a previsões de caráter jurídico que foram outrora assumidas como compromisso pelo funcionário decorrente da sua mera condição de subordinado.

A indisciplina e a insubordinação são bastante confundidas, mas é importante mencionar que são condutas diferentes. A primeira se refere à desobediência de uma norma genérica; por outro lado, a última consiste na não obediência de uma ordem específica, que pode ser verbal ou escrita, oriunda de seu superior hierárquico.

Podemos citar como exemplo de indisciplina o funcionário que desobedece à política interna da empresa e vai trabalhar sem o uniforme exigido.

Trabalho em condições de embriaguez

A embriaguez habitual em serviço é uma situação de anormalidade caracterizada por um indivíduo alcoólatra, independentemente de ele apresentar sinais de patologia, do seu grau de embriaguez ou da sua causa.

Dessa maneira, a condição de embriaguez, quando devidamente comprovada por meio de exame pericial, enseja a demissão por justa causa.

Decisões mais recentes sobre o a situação do trabalhador dependente de álcool acabaram por afastar a demissão por justa causa por considerar a situação uma doença, mas cada caso deve ser analisado com critério.

Está passando por essa situação? Entre em contato conosco!

FICOU COM DÚVIDA?
ENVIE UMA MENSAGEM QUE UM DE NOSSOS PROFISSIONAIS RESPONDERÁ EM BREVE. 

INSCREVA-SE
Não se preocupe, também não gostamos de spam.